Publicado em 29/07/2016

Circuito Alimentação busca ampliar comércio entre instituições públicas e agricultores familiares

Projeto da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário tem potencial de venda disponível de cerca de R$ 300 milhões, metade desses recursos do Governo de Minas Gerais
Cap 4426

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda), por meio da Superintendência de Acesso a Mercados e Comercialização (Sumec), lançou nesta terça-feira (14/6), no auditório da Fetaemg, em Belo Horizonte, o Circuito Alimentação.

O objetivo do projeto é ampliar o acesso da agricultura familiar aos diferentes mercados institucionais públicos (escolas, hospitais, órgãos da administração direta, etc). Só para alimentação escolar, o potencial de venda disponível é de cerca de R$ 300 milhões, metade desses recursos é investimento do Governo de Minas Gerais. O desafio é que, no mínimo, 30% dos produtos alimentícios consumidos pela administração estadual venham da agricultura familiar.

Um dos primeiros atos do governador Fernando Pimentel foi regulamentar a Política de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAAFamiliar). Pela lei estadual, 30% das compras de alimentos dos órgãos públicos devem ser de produtos da agricultura familiar.

“O Circuito Alimentação é uma ação para derrubar barreiras e ampliar o acesso da agricultura familiar aos mercados”, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Agrário, Professor Neivaldo, ao fazer o encerramento da solenidade de abertura. Ele aproveitou para destacar as últimas ações do Governo de Minas Gerais, por meio da Seda, para o fortalecimento do segmento.

“Nosso esforço para tornar a agricultura familiar a mais competitiva do país continua. Recentemente doamos kits para a melhoria das feiras livres em várias regiões do Estado e regularizamos a situação de várias propriedades rurais com a entrega de títulos”, disse.

Termo de cooperação

O presidente da Empresa Mineira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-MG), Glenio Martins, lembrou que o lançamento do projeto faz parte de termo de cooperação assinado neste ano entre a Seda, a Emater-MG e a Secretaria de Estado de Educação (SEE), que prevê uma série de ações para a melhoria da qualidade da alimentação escolar e ampliação do acesso da agricultura familiar aos mercados institucionais.

Para Glenio Martins, o Circuito Alimentação é um passo importante rumo a este desafio. “O maior orgulho do pequeno produtor, do agricultor familiar, é comercializar a sua produção”, disse.

Demanda dos Fóruns

O Circuito Alimentação tem apoio da das Secretarias de Estado de Governo (Segov) e de Planejamento e Gestão (Seplag), por meio dos Fóruns Regionais.

A superintendente dos Fóruns Regionais, Neila Batista, lembrou que uma das demandas dos Fóruns Regionais é a melhoria das políticas públicas nas áreas de segurança alimentar, assistência técnica rural, entre outras. “Ampliar o acesso da agricultura familiar no mercado é uma mudança de paradigma. Queremos que essas políticas se expandem para o restante do Estado”, completou.

A primeira fase das oficinas técnicas de mobilização e sensibilização vai se destinar a gestores públicos, representantes de organizações e agricultores familiares da região metropolitana de Belo Horizonte (RMBH. Estão previstas a realização de oficinas em outros três Territórios de Desenvolvimento, que serão definidos pela comissão organizadora.

Há oito anos, o agricultor familiar Sírio Pedro Rodrigues fornece rapadurinha para escolas públicas de Jaboticatubas, na RMBH. Sua expectativa é melhorar as vendas na região metropolitana. “Isso ajuda muito a aumentar a nossa renda. Graças a essas vendas que comprei uma picape”, conta Rodrigues.

Também participaram da solenidade de abertura a coordenadora de Educação do Campo da SEE, Erica Fernanda Justino, a assessora de Gabinete da Seplag, Renata Seidl, o assessor de Política Agrícola e Cooperativismo da Fetaemg, Guilherme Rabelo, entre outras autoridades.

Histórico